Como os Ponteiros de Salvador Dalí – Por Velho Marujo

Índice

Que horas são? Quantas horas? Tanto faz…

Quanta dor cabe no peito?

Quanto rancor ou dissabor, desamor, quanto amor um amargor cala? Palavras, falas engasgadas não ditas, malas jamais desfeitas, louças na pia, poeira sobre a mesa, sujeira, solidão, imensidão, prisão… É vazio, é incerteza, é ausência de si mesmo. Não mais que um querer a esmo. Apenas outro desfechar sem começo onde não há erro em aventurar-se, desde que saiba o peso do preço!

No quarto, no chão, o velho colchão, a garrafa de Smirnoff, assistindo-se nos playoffs da vida, sem deslumbrar saída, em off… Roupas, trapos, farpas, bitucas de cigarro, um maço de Eight, de “Corótinho” a Orloff, sem amparo, não tão raro, mais um trago, fotos, retratos, parede, sede por afago, móveis quebrados, o espelho, são pratos, copos, cama…

Um porre de vinho, Chapinha, São Tomé, Chalise, um dos mais baratos, uma fuga. Na sala, a televisão, o banco de madeira, o tapete colorido, o antigo rak branco e o Gradiente anos 90, bola mais um fino, estica mais um pino, pensa: – “Quem sabe música para “desbaratinar”, sei lá!”. Brown, Wonder, Armstrong, Arlindo Cruz, Fundo de Quintal… Mas, sem cassete, o toca discos parado, sem vinil, tanto faz, vitrola quebrada, janela quebrada, o silêncio na quebrada e a calada rua. Toma mais uma dose. Efeito? Psicológico, narcótico, overdose… Outra amarga dose de teor alcoólico, daquelas que “apaga” a depressão, mas larga no mangue, como caranguejo, no barro. Baseado em fatos, acende, prende… Acalma! Olha para o relógio. Mas, os ponteiros em slowmotion estão parados como os de Salvador Dalí.

Frio, cão no canil! É quando implora por um olhar de amparo, chora lágrimas de vinho entre cigarros e bitucas, é quando a grana vai e se esvai na insana noite, é quando se esvai e vai a dama da sua cama.

E quantos? Quantos findaram-se assim? Amy Winehouse, Chorão, Chaplin…

…A vida nos playoffs aos 10 segundos do fim!

Anúncios

2 Respostas para “Como os Ponteiros de Salvador Dalí – Por Velho Marujo

  1. Velho Marujo,
    Com algum atraso, fui checar os comentários no meu blog e, grata surpresa! Um convite para navegar por essas águas de poesia e serenidade.
    Adorei a forma como escreve, e seu blog é lindo!
    Essa crônica me fez viajar, lembrar antigas vertigens e sensações de um tempo pelo qual todos passamos, pelo menos uma vez na vida.
    Adorei a crônica, estou adorando o blog, parabéns!
    Voltarei novamente,
    Que Deus o abençoe!
    Abraços,
    Fabíola

    • Fabíola,

      Desculpe-me a demora em responder. Mas, mesmo tão depois, é muito satisfatório ler seu comentário e elogios. Realmente quando escrevi esta crônica, viajei pelas profundezas da psique que, por vezes, pode se tornar um mar sombrio e tempestuoso. Muito obrigado! E sinta-se a vontade para voltar a este barco literário. Vamos navegar!
      E meus parabéns pelo seu blog, suas crônicas são a expressão pratica do cotidiano, espontâneas e humanas . Já adicionei como outras de minhas navegações obrigatórias pela blogosfera.

      Deus abençoe!

      Atte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s