Eles Não Circuncidaram Dandara! – Por Velho Marujo

Marcha-5África, dia 30, mês de maio, ano 2015.

Nairóbi, capital do Quênia, país da África Oriental, com população de aproximadamente 45 milhões de habitantes. Economicamente estruturada em exportação agricultura para países europeus. Politicamente sob regime presidencialista. Maioritariamente seguidora do Cristianismo sendo esta crença partilhada por 82% dos quenianos, (47% de protestantes, 23% de católicos romanos e 12% praticantes de outras religiões cristãs), 11% da população declara-se como muçulmana, outros 10% seguem crenças indígenas/tribais e 2% têm outras religiões.

Em termos organizacionais, aparentemente em processo de evolução tanto industrial quanto cultural, contudo ainda enraizado com praticas e costumes que, evidenciam a superficial democracia política, e uma tradição tribalista e desumana. Pois, é contextualizado com este quadro que, mulheres Quenianas, devidamente caracterizadas, com seus turbantes, panos, e vestidos coloridos, costumazes da cultura africana, marcham como em procissão, com faixas e dizeres de protesto, contra uma antiga tradição que perpetua-se por décadas, em mais de 28 países africanos. A Mutilação Genital Feminina. Estamos a divagar sobre um tema exaustivamente debatido, mas que ainda não demonstra avanços significativos.

Na África, conforme visões culturais e religiosas, toda menina a partir dos 6 anos, deve ser circuncidada. Não pretendo aprofundar-me tecnicamente na questão da circuncisão, basta-nos saber que este é um processo cirúrgico de excisão do clitóris ou do grande e pequeno lábios da vagina. Um procedimento doloroso e perigoso, dado que este é realizado, em mais de 90% dos casos, em locais inapropriados, sem anestesia ou aparelhagem adequada. Em suma, um ato tribal que, não raro flutua próximo a barbárie, provocando muitas vezes graves consequências para a mulher como sangramentos, anemia, inflamações, há casos de mães de primeira viagem em que, se é necessário abrir-se a vagina durante o parto, além de causarem problemas durante o ato sexual. Muitas aceitam tal desrespeito, pela imposição social, familiar, muitas vezes das mulheres mais velhas que, impõe a tradição para as jovens e crianças, ou simplesmente por aceitação, pois muitos homens negam-se casar com mulheres incircuncidadas.

ELES NÃO CIRCUNCIDARAM DANDARA!

– “Caro, Velho Marujo, entendemos toda problemática e a gravidade da situação destas mulheres africanas, mas o que caguas d’águas, tem haver com o tema o texto?“.

Caros, amigos leitores. Dandara, ou melhor, a Princesa Dandara, foi uma guerreira negra, viveu no Brasil no período da escravidão, casada com o grande guerreiro Zumbi, sendo que juntos fundam o Quilombo dos Palmares, marco na história brasileira na luta contra a opressão dos colonizadores europeus. Deste relacionamento nascem três filhos, e após dezenas de batalhas, após ser capturada, Dandara suicida-se, jogando-se de uma pedreira, preferindo a morte do que retornar para a senzala.

Ao ler esta noticia, divulgada pelo site: Por Dentro da África. Notei a semelhança na luta destas mulheres por sua liberdade e feminilidade, com a história que relatei acima. Ambas, lutam por direitos básicos do ser humano, o livre-arbítrio, a opção de escolha, de ir e vir, de sonhar, viver, desfrutar dos prazeres da vida sem amarras ou correntes nos calcanhares. Sejam estas físicas ou psicológicas. O fato, é que causa repugnância pensarmos que em pleno século 21, ano de 2015, ainda nos deparemos com atos tribais, irracionais e enraizados por um conceito brutal e inconsequente. E isto baseado em que? Religião e cultura. Não, a razão não é de longe religiosa ou cultural, é um problema social, é uma questão de princípios, ou se me permitirem, de moral. O que vemos é a imposição de uma tradição que, deveras esta ultrapassada, isto é se podemos dizer que, em algum determinado período da história poderíamos considera-la atual.

Dandara, ao deparar-se com a possibilidade de vivenciar a escravidão novamente, decide morrer, do que entregar-se ao regime escravocrata. Estas mulheres, hoje, revivem Dandara, em suas marchas por dignidade e aceitação. Mais uma vez, assim como fez sua ancestral, elas decidem “jogar-se na pedreira” do embate social e enfrentar a discriminação e a tradição, do que viverem caladas e oprimidas na “senzala” de seus lares. A todas essas guerreiras, essas negras, mulheres, filhas de Dandara, meus votos para que o sol da liberdade brilhe mais forte amanhã. Por um mundo melhor. Que Deus nos ouça!

Não! Eles não circuncidaram Dandara!

Anúncios

Como os Ponteiros de Salvador Dalí – Por Velho Marujo

Índice

Que horas são? Quantas horas? Tanto faz…

Quanta dor cabe no peito?

Quanto rancor ou dissabor, desamor, quanto amor um amargor cala? Palavras, falas engasgadas não ditas, malas jamais desfeitas, louças na pia, poeira sobre a mesa, sujeira, solidão, imensidão, prisão… É vazio, é incerteza, é ausência de si mesmo. Não mais que um querer a esmo. Apenas outro desfechar sem começo onde não há erro em aventurar-se, desde que saiba o peso do preço!

No quarto, no chão, o velho colchão, a garrafa de Smirnoff, assistindo-se nos playoffs da vida, sem deslumbrar saída, em off… Roupas, trapos, farpas, bitucas de cigarro, um maço de Eight, de “Corótinho” a Orloff, sem amparo, não tão raro, mais um trago, fotos, retratos, parede, sede por afago, móveis quebrados, o espelho, são pratos, copos, cama…

Um porre de vinho, Chapinha, São Tomé, Chalise, um dos mais baratos, uma fuga. Na sala, a televisão, o banco de madeira, o tapete colorido, o antigo rak branco e o Gradiente anos 90, bola mais um fino, estica mais um pino, pensa: – “Quem sabe música para “desbaratinar”, sei lá!”. Brown, Wonder, Armstrong, Arlindo Cruz, Fundo de Quintal… Mas, sem cassete, o toca discos parado, sem vinil, tanto faz, vitrola quebrada, janela quebrada, o silêncio na quebrada e a calada rua. Toma mais uma dose. Efeito? Psicológico, narcótico, overdose… Outra amarga dose de teor alcoólico, daquelas que “apaga” a depressão, mas larga no mangue, como caranguejo, no barro. Baseado em fatos, acende, prende… Acalma! Olha para o relógio. Mas, os ponteiros em slowmotion estão parados como os de Salvador Dalí.

Frio, cão no canil! É quando implora por um olhar de amparo, chora lágrimas de vinho entre cigarros e bitucas, é quando a grana vai e se esvai na insana noite, é quando se esvai e vai a dama da sua cama.

E quantos? Quantos findaram-se assim? Amy Winehouse, Chorão, Chaplin…

…A vida nos playoffs aos 10 segundos do fim!

Paisagens – Por Velho Marujo

grade_rep_morador_rede_rua

Mês de maio. Inverno…

A gélida paisagem deveras parece tão somente ilustrar. Pálida, inerte, fosca. Estampada em cinza, preto, moscas. Entre trancos, bancos, barrancos, barracos. Parece não mais afrontar ou quiçá confrontar, não! São canecas, cachorros e cobertores, sem talheres, um bocado de homens, mulheres, idosos, jovens, crianças… Odores! E são tantas dores! Mazelas compartilhadas em um suicídio coletivo de sonhos, vidas e cores… Favelas!

São hoje, meros rumores de um pretérito imperfeito, moradores do abstrato mundo de concreto escoltados por vigas e pontes. Rumores! Personagens coadjuvantes de um cinema mudo, sem fala, sem malas, apenas um edredom de estrelas e o céu como teto. Surdos! Ah! Quem dera Chaplin ainda se contasse dentre os mortais, talvez aos tais dedicaria sua obra prima, o tal vagabundo… Sujismundos! Uma tragédia épica que nem James Cameron reproduziria, nem Dan Brown jamais ousaria. A epopéia de heróis e heroínas impopulares e suas histórias fadadas ao olvidamento, sem super poderes, saberes ou confrarias, a saga da tal alforria, esta nem Robert Longdon desvendaria.

É… Isabel! Eis que em seu tratado e assinatura, em nada contribuíste para a mudança da estrutura, dantes serviçais, negros, negras, mulatos, mulatas… eram pés, mãos, cacau, inchadas… eram correntes, calos, ouro, prata… agora atuais desprezados, esculturas, estátuas sociais, mas não ilustres como “Os Bandeirantes” ou Dom Pedro em sua marcha pela fraudulenta proclamação, não! São a contradição da “Independencia ou morte”, são paisagens do caos, sentenciados ao “Inferno de Dante”, talvez… Alighieri realmente tenha sido mais profeta do que poeta.

Afinal, na terra onde Jules Rimet furtou os olhares de milhões, e milhares sucumbem diante de um lastimável menoscabo inflamado pela escassez de afabilidade, não é abalo saber que até mesmo o calor do Hades, não mais aquente almas e corações.

É… Talvez, o poeta esteja com plena razão… Talvez, aqui… Ninguém vá para o céu!

Palhaços Também Choram (Reescrito)

Palhaços também choram

Apagaram-se as luzes. O sol curva-se a lua dando espaço aos luminares. O palco que dantes aspirava e inspirava risos insolitamente engolfa no alarmante silêncio. A tenda grandiosa criada para doar alegria, subitamente se esfria no crepúsculo, ao findar de outro dia, quando aplausos, sensações, humor e crianças dormem, é quando o artista rompe a alvorada, isolado no obscuro.

O raiar acarreta outro amargor. Ser o personagem, o mágico, a felicidade. A aflição de reinventar um Eu a cada novo espetáculo e de sucumbir após o encerramento, diante das cortinas que indicam o término da hilária e solitária dramaturgia.

É no exílio. Perdoe-me! No camarote. Que as manchas surgem. O borrão, a tinta, a máscara, o artista se purga em lágrimas e o espelho parece ofender, dizer, falar… Ofender, dizer, falar! Seu único desejo é tal liberdade, a simples humanidade de poder brigar, falar mal, gritar, gritar! Exausto dessa solidão mundana, reza estar sozinho de si mesmo, libertar-se do personagem, desprender-se, esvaziar-se, GRITAR, GRITAR!

Ah! Quão traumático é sorrir quando se precisa chorar, divertir quando se quer prantear, abraçar quando não mais goza o prazer de amar.

Contudo, amanhã as chamas do picadeiro serão ateadas novamente, todos virão de todos os quantos e assistirão ao espetáculo do artista. Cabe ao itinerante vestir o surrado “uniforme” colorido, a peruca, o nariz, o sapato… E pintar o rosto de branco, vermelho, palhaço… Fantasiar que a noite foi um surto, um acaso, uma alucinação, que não sente dor dos artistas de ao invés de viver… Interpretar!

Velho Marujo

E Nem Viu o Tempo Passar – Por Velho Marujo

Lá estavas…

Disperso, entorpecido

Em meio às vísceras de sua puerícia

Tão marcantes em seus versos.

Embevecido pela primavera

Deveras enleado observara

O despencar das flores.

Verazmente envanecido

Por utópicas, ilógicas…

Amargo é o sabor das coisas palpáveis.

Pés que tocam o solo

Causam-lhe repugnância

Ânsia! Regurgita a realidade.

Seus decênios mal gozados

Seus anseios exauridos

Nos balcões fétidos da cidade.

E estes ponteiros incansáveis

Em intermináveis ciclos

Em suas andanças…

Não foi adulto

Não foi criança

Nem se aventurou na dança!

Velho Marujo

Invejosas Lamúrias de um Conservador

Esses invólucros modernistas

Quão latentes seus ideais sórdidos

Comumente oportunistas!

Anarquistas insolúveis

Repugnantes suas mistas

De idéias infortuneis

Tal qual modo suas cristas.

Tal astúcia hiperbulosa

Desonrosa e simplista

Nome-eis a dita arte

Linguagem populista.

Menosprezeis a cadência

A métrica e a poesia

Codifiqueis suas indolências

Como satânicas liturgias.

Fanáticos por práticas

Libertárias e casuais

Que embaúlam mentes sádicas

Com aventais intelectuais.

Mas, se pareço indignado

Perdoe-me por este parecer

No fundo conservo-me alheio

Por não ter a graça de ser.

Velho Marujo